UMA AÇÃO ARBITRÁRIA NA VÉSPERA DE NATAL

O dia 24 de dezembro de 2014, ficou marcado por uma ação arbitrária e imprópria na véspera do Natal, por um grupo de fiscalização e Segurança, já mencionado pelos Veículos de Comunicação de Santa Maria e nas redes sociais. Na véspera do Natal, no Centro de Referência de Economia Solidária Dom Ivo Lorscheiter, local de um projeto respeitado pelo mundo, pela Economia Solidária e pela Agricultura Familiar. O repúdio a esta ação se dá pela sua forma de organização nesta data que na madrugada, parecia um lugar de guerra com tantos policiais e fiscais, o que nos indignou muito e humilhou tremendamente a nossa organização. Não pedimos esmola e não roubamos, queremos ter direito de trabalhar com dignidade e resolver os problemas que ainda temos . Por que levar neste local tantos órgãos de segurança pública, se este é um espaço para as pessoas de bem, que tem o direito de trabalhar, que não tem um salário fixo e garantido no final do mês, como eles.

Nós questionamos a data que foi feita esta ação, na véspera do Natal, a forma opressora e sem dialogar, porque não fizeram uma notificação Educativa, antecipadamente. Outro questionamento que fazemos, para onde foram levados os produtos que eram sim, possíveis de consumo pois são de boa qualidade. Tanta gente passando fome, inclusive em Santa Maria, nos cinturões de pobreza extrema.

Nós reconhecemos que temos ainda muito a fazer e melhorar, assim como tantos outros Estabelecimentos na cidade, são várias questões a melhorar de forma processual. Nosso trabalho não é feito de “pacotes mágicos” e sim em processos gradativos, participativos e autogestionários.

Organizar o povo no Campo e da Cidade para o Bem Comum é um desafio permanente. Nosso trabalho é preventivo as drogas, a violência e a todas as formas de exclusão social, faz parte dos Projetos Sociais da Arquidiocese de Santa Maria e está em busca permanente de aperfeiçoamento. Necessitamos com urgência máxima de Políticas Públicas e o cumprimento também que já temos das Leis, por parte dos Órgãos Públicos ou seja unificar os Sistemas de Inspeção (Municipal, Estadual e Federal) num processo educativo e não opressor. O Agricultor Familiar, não pode mais ser vítima da ação arbitrária deste tipo. Basta saber que a maioria dos Agricultores já vieram para cidade e se não tiver apoio e incentivo, os demais virão também.

Os problemas da cidade com drogas, pichações, a violência, assaltos, mortes e tantas outras formas de violência são insuportáveis . O nosso trabalho é preventivo às drogas, aos vícios, violência e gera trabalho digno, solidário, responsável e autogestionário e para melhorias de forma participativa no campo e na cidade.

Ao colocar na frente do Centro de Referência de Economia Solidária, Dom Ivo Lorscheiter, às 4.30 horas da madrugada de 24 de dezembro de 2014, aquela multidão de policiais e outros órgãos fiscalizadores , foi atingido tremendamente a nossa forma de organização, cujo desrespeito clama ao céu. Estamos sim, indignados diante desta ação arbitrária, na véspera do Natal, um dia verdadeiramente impróprio para tal ação .

Oxalá que o tratamento que fizeram ao nosso grupo, seja também para aqueles que detém o dinheiro, o poder e o acúmulo dos bens, que geram também em nossa cidade as desigualdades sociais, a fome, a miséria, exclusão social, e o cinturão de miséria. Antes do final de 2014, por favor coloquem a mão na sua consciência que na madrugada da véspera do Natal, espantaram homens, mulheres, idosos, jovens, crianças e consumidores, que querem ter o direito de trabalhar, não pedem nada de graça e vivem com o fruto do seu trabalho organizado. Usem o bom senso, o diálogo, a educação e não a repressão. A repressão não educa, pelo contrário espanta e não produz efeito transformador.

Se os órgãos de Fiscalização e Segurança usassem mais a pedagogia do processo educativo e a formação da consciência, precisaria com certeza bem menos fiscalização e teria mais corresponsabilidade no cumprimento da legislação de ambos os lados e os governos não gastariam tanto dinheiro com Segurança Pública e Fiscalização.

A Economia Solidária já incomoda o Agronegócio, que possivelmente foi quem fez a denúncia, que não quer que os pequenos se organizam, cresçam e sobrevivem com dignidade. O Projeto Esperança/ Cooesperança da Arquidiocese de Santa Maria, foi criado por Dom Ivo Lorscheiter de feliz memória, segue em frente com apoio nos avanços e qualifica o que falta. Inspirado no Sábio Provérbio Africano: “Muita gente pequena, em muitos lugares pequenos, fazendo coisas pequenas, mudarão a face da Terra” esta afirmação nos dá a certeza de que “ Um Outro Mundo é Possível e uma Outra Economia continua acontecendo, inclusive em Santa Maria”.

BOAS FESTAS E FELIZ 2015 !

Atenciosamente,


Irmã Lourdes Dill

Coordenadora do Projeto Esperança/Cooesperança

CPF nº 425.024.119-04

E.mail: lourdesdill@hotmail.com

#photo

 Posts em Destaque
Arquivos
Pesquisa por tags
Nenhum tag.
Siga-nos
  • Facebook Basic Square

© 2023 Projeto Esperança/Cooesperança - Santa Maria - RS - Brasil  - Fones (55) 3219.4599 / 3223.0219                                                                  Site desenvolvido por: Xiko